6 de fevereiro de 2012

ATAQUE DE FALSA BANDEIRA PODERÁ SER DESCULPA PARA ATACAR O IRÃ. SERÁ?

Por Alex Jones - Infowars

Evento terrorista falso será desculpa para atacar o Irã.
EUA enviarão 100 mil soldados para a região!


Terceira Guerra a caminho: ataque aumentará a popularidade de Obama e o ajudará a reeleger-se em novembro.
Os eventos dos últimos dias revelam que os EUA e Israel planejam conduzir um evento terrorista de bandeira falsa para que se jogue a culpa no Irã. O evento provavelmente ocorrerá nos próximos seis meses e irá resultar em um ataque ao Irã até antes das eleições presidenciais de novembro.


Assista a esta compilação expondo a possibilidade de um ataque.


Inteligência dos EUA e de Israel advertem contra um ataque terrorista doméstico.
Representantes dos governos dos Estados Unidos e de Israel divulgaram um aviso sobre a “onda de ameaças” iraniana contra alvos israelenses de baixa proteção em solo americano.

O aviso é feito vários dias após de o chefe de inteligência de Obama, James Clapper, ter dito que o Irã poderá atacar dentro dos Estados Unidos.

“Nós estamos prevendo que a ameaça contra nossas localidades ao redor do mundo irão aumentar… tanto contra nossas localidades altamente protegidas quanto contra as de baixa proteção”
, dizia uma carta enviada pelo diretor de segurança do Consulado Geral Israelense para os estados da costa nordeste dos EUA.

Locais altamente protegidos são instalações governamentais como embaixadas, enquanto locais de baixa proteção são sinagogas, escolas e centros comunitários judeus.

Yoram Cohen, diretor do serviço de segurança israelense Shin Bet, disse recentemente que a Guarda Revolucionária do Irã atacará Israel e alvos judeus no exterior em resposta ao assassinato de um cientista nuclear iraniano.

Em janeiro, foi divulgado que o Mossad estaria por trás do assassinato do cientista nuclear iraniano Mustafá Ahamdi-Roshan.

“A frustrada conspiração para assassinato de um representante do governo saudita na cidade de Washington há dois meses é um dado relevante”, disse um representante anônimo do governo à ABC News, “o qual mostra pelo menos que parte do governo iraniano estava ciente do evento e que não estava preocupada com um efeito colateral inevitável aos cidadãos americanos caso a conspiração de assassinato em solo americano tivesse sido executada.”

Cohen ligou a suposta ameaça à desacreditada conspiração para assassinar o embaixador saudita em outubro. Um documento da justiça sobre o caso revelou que o FBI e que a Agência de Combate às Drogas planejaram a conspiração como uma operação de incriminação e que usaram o vendedor de carros usados fracassado e alcoólatra, Mansour Arbabsiar, como um bode expiatório. Arbabsiar, que é do Irã, achava que estava participando de uma negociação de drogas.

A despeito da natureza falaciosa da conspiração, agentes de inteligência a usaram para reavivar o fantasma do terrorismo iraniano o que provavelmente resultará numa operação de bandeira falsa que será usada como pretexto para invadir o Irã.

“Nas últimas semanas, tem havido uma escalada nas ameaças contra Israel e contra alvos judeus ao redor do mundo”, dizia um documento de inteligência citado pela ABC News. Este documento adverte que manifestações contra Israel “poderiam potencialmente tornar-se violentas contra sinagogas, restaurantes, contra a Embaixada Israelense e contra outras localidades israelenses.”

O boletim israelense também serve de desculpa para que a Agência de Segurança dos Transportes introduza as revistas pessoais intrusivas e exija que viajantes sejam submetidos à inspeção dos perigosos escâneres de raios-x dos aeroportos nos Estados Unidos.

“De acordo com a nossa avaliação, existe a possibilidade de que passaportes falsificados serão usados para que pessoas se passem como cidadãos israelenses por barreiras de segurança em Israel e ao redor do mundo. Autoridades de segurança israelenses podem considerar a cidadania israelense como um (critério) para procederem de forma mais leniente nos pontos de checagem de segurança para garantir a segurança de localidades como aeroportos, etc.”, explica o boletim.

O último aviso chegou duas semanas antes de o jornal turco Zaman publicar um artigo dizendo que uma célula da Unidade Quds da Guarda Revolucionária do Irã planejou atacar a embaixada americana em Ancara, além de outros alvos na Turquia.
O relógio se move rapidamente em direção à guerra

Os últimos desenvolvimentos seguem-se a um número de eventos acontecidos nas últimas semanas que indicam que ocorrerá um ataque coordenado entre Israel e os Estados Unidos contra o Irã.

O site de notícias DEBKAfile reportou nesta semana que os Estados Unidos terão 100.000 soldados na região até março. “O Pentágono está concentrando discretamente soldados e armamentos em duas ilhas localizadas ao sul do Estreito de Ormuz, e a uma boa distância para atacar com facilidade o Irã”, escreveu Mac Slavo, em 31 de janeiro.

Na sexta-feira, a mídia convencional reportou que o secretário de defesa americano, Leon Panetta, disse que “existe uma grande probabilidade de que Israel irá atacar o Irã em abril, maio ou junho”, de acordo com o Washington Post. O prazo é baseado na suposição de que o Irã cruzará a imaginária “zona de imunidade” israelense através de seu não fundamentado esforço para construir uma bomba atômica.

O Irã fez algumas ameaças em resposta às punitivas sanções econômicas e a seu petróleo aplicadas pelos Estados Unidos e pela Europa. Na sexta-feira, o supremo líder do Irã, Aiatolá Ali Khamenei, disse em um discurso televisionado à nação que o país irá retaliar se as nações do Ocidente impuserem sanções prejudiciais ao petróleo. Em janeiro, respondendo às ameaças dos ministros do exterior da União Europeia de impor um embargo ao petróleo do país, o Irã prometeu fechar o Estreito de Ormuz.

O Chefe do Estado Maior dos EUA, general Martin Dempsey, admitiu em 8 de janeiro que o Irã tem a capacidade de bloquear a estratégica travessia de navios que liga o Golfo de Omã ao Golfo Pérsico. Ele disse que esta ação ultrapassaria os limites daquilo que é aceitável;
Em dezembro, em resposta ao fato de o secretário de defesa americano, Panetta, não descartar um ataque, o Irã anunciou que iria executar exercícios militares no Golfo Pérsico. Os 10 dias de exercícios, chamados de “Velayat-e 90”, demonstraram que o Irã tem a capacidade de fechar o Estreito de Ormuz. Os Estados Unidos pioraram ainda mais a situação ao enviar o porta-aviões USS John C. Stennis através do Estreito de Ormuz no momento em que o Irã estava realizando os seus jogos de guerra.

A Rússia e a China deram indicações de que um ataque contra o Irã constituiria um ataque contra a própria segurança nacional destes países. “O Irã é um vizinho próximo, que está bem ao sul do Cáucaso. Se alguma coisa acontecesse ao Irã, se o Irã fosse submetido a alguma dificuldade política ou militar, isto seria considerado uma ameaça direta à nossa segurança nacional”, disse Dmitry Rogozin, representante do primeiro-ministro da Rússia e antigo emissário para a OTAN, em meados de janeiro.

Presidente da Guerra: Reelegendo Obama

O site DEBKAfile disse que Obama irá usar a guerra como uma ferramenta para reeleição em novembro. “O presidente Barack Obama fez um comunicado aos antigos aliados dos Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha, Itália, Israel e Arábia Saudita, anunciando o seu plano de atacar o Irã no final de setembro ou outubro de 2012, a menos que Teerã interrompesse os seus programas de armamentos”, previu a publicação neoconservadora.

“O pronunciamento de Obama não foi percebido como uma diretiva geral aos aliados dos EUA, mas como uma instrução para tirar a poeira dos planos de contingência para um ataque contra as instalações nucleares do Irã, que já estão na gaveta faz 3 anos”, disse a reportagem, acrescentando que “O pronunciamento de Obama estimulou Alemanha, França, Grã-Bretanha, Itália e Israel a prepararem as suas marinhas, suas forças aéreas, suas unidades balísticas e seus sistemas de defesa antimísseis para desafios futuros.”

O secretário do Exterior do Reino Unido, William Hague, disse em janeiro que seu país não descartou uma ação militar contra o Irã. O Reino Unido enviou o seu “mais formidável navio de guerra, HMS Daring”, à região do Golfo Pérsico, antes das observações feitas por Hague.

Em 2010, à medida que o índice de popularidade de Obama iniciou a sua queda abissal, o ex-agente de Clinton e do Partido Democrata, Mark Penn, disse que Obama precisava de um ataque terrorista doméstico para reconquistar a sua popularidade. Em julho daquele ano, outro ex-agente de Clinton, Robert Shapiro, disse que a única coisa que poderia manter Obama na presidência seria uma guerra.

“A questão final é que os americanos não acreditam na liderança do presidente Obama”, disse Shapiro, em um artigo para o Financial Times. “Ele tem que descobrir alguma maneira, entre agora e novembro, de demonstrar que é um líder capaz de comandar e transmitir confiança e, a menos que haja outro 11 de Setembro ou outro atentado de Oklahoma, eu não consigo imaginar como ele poderia fazer isto.”

O falecido colunista do Washington Post, David Broder, foi mais sucinto: “Com um forte apoio republicano no Congresso para enfrentar a ambição do Irã de se tornar um poder nuclear, ele pode passar a maior parte de 2011 e de 2012 orquestrando um confronto contra os mulás. Isto iria ajudá-lo politicamente porque o partido de oposição irá pressioná-lo. E à medida que as tensões aumentam e que nós aceleramos as preparações para guerra, a economia irá melhorar”, escreveu Broder, no final de 2010.

Tensões irão sem dúvida emergir se houver um ataque terrorista dentro dos Estados Unidos, tanto contra um alvo israelense quanto contra um americano.

Isto providenciaria uma desculpa perfeita para liberar o fantástico poderio militar americano contra o Irã e posicionar Obama sob a luz adulatória que todos os “presidentes da guerra” recebem enquanto as massas ficam em linha, agitam as suas bandeiras e aplaudem os “nossos garotos” num momento em que eles estarão dizimando outro país e se empenhando em mais um massacre sangrento de inocentes.

Fonte: http://www.infowars.com/u-s-and-israel-set-stage-for-false-flag-and-iran-attack/#
Leia mais: http://www.libertar.in/2012/02/evento-terrorista-falso-sera-desculpa.html#ixzz1leURsGPw

Nota: Não sei até onde um suposto ato desse, um ataque terrorista de falsa bandeira,  que causasse a guerra, poderia ajudar Obama se reeleger, mesmo porque já existem movimentos contra essa guerra contra o Irã.
O povo está acordando para a realidade dos fatos ou seja, que ela é uma guerra de interesses.

Se bem que a grande maioria ainda dorme, me lembro bem do ataque as torres gêmeas, aquilo de certa forma mais ajudou a reeleger o Bush que o atrapalhou, mas isto continuo afirmando, aconteceu devido ao fato do nível de conhecimento da maioria do povo ainda estar muito baixo, estamos melhorando, mas falta um bom caminho ainda. 

Fala-se em guerra com ataque de Israel ao Irã a partir de abril até junho deste ano, quando todas as medidas contra o Irã estiverem de fato em vigor, e claro se a Síria cair de vez, e isso (essa queda) foi atrasada com o veto na ONU da Russia e da China.

Vamos aguardar o desenrolar dessa história.

Estamos de olho
Abração
Célio

0 comentários:

Postar um comentário

Membros deste blog e usuários das contas google, podem postar comentários.
Serão aprovados comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais(e-mail, telefone, RG etc.) ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.
Serão aceitos comentários somente de seguidores deste blog.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...